Prolegômenos à discussão de Gurwitsch sobre a redução transcendental: acerca da hipótese da constância

Autores

Palavras-chave:

Gurwitsch, Hipótese de Constância, Gestalt, Psicologia, Fenomenologia

Resumo

Aron Gurwitsch propõe, em 1929, um paralelo entre a refutação da hipótese da constância proposta pela teoria Gestalt e a redução transcendental de Edmund Husserl. Existe vasta literatura sobre o assunto partindo do ponto de vista da redução transcendental, mas pouco debate que explore a importância do papel da hipótese da constância na discussão. Nosso objetivo é dar alicerce teórico e histórico a respeito do surgimento e manutenção da hipótese da constância na psicologia clássica, bem como descrever o desenvolvimento da Gestalt, para enfim ressaltar a relevância da teoria Gestalt ao propor a sua rejeição. A partir desse horizonte estabelecido, será possível uma melhor compreensão da pertinência da interpretação proposta por Gurwitsch, que tem como mérito lançar um novo olhar de interesse sobre a psicologia e a fenomenologia.

Biografia do Autor

Brenda Cardoso Soares, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Mestra e Doutoranda em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (Bolsista CAPES)

Publicado

2022-06-22

Como Citar

Cardoso Soares, B. (2022). Prolegômenos à discussão de Gurwitsch sobre a redução transcendental: acerca da hipótese da constância. Phenomenology, Humanities and Sciences, 2(2), 168-179. Recuperado de https://phenomenology.com.br/index.php/phe/article/view/121