Notas Sobre O Projeto Da Fenomenologia Meôntica De Eugen Fink

Autores

  • Anna Luiza Coli

Palavras-chave:

fenomenologia meôntica, constituição, imagem, trascendental

Resumo

Partindo de um recorte muito específico e que privilegia o problema da constituição, o presente artigo pretende apontar os pilares argumentativos do que podemos chamar de “projeto de fenomenologia meôntica”, que Fink desenvolveu em diálogo e ao mesmo tempo em confronto com a fenomenologia de Husserl, de quem foi o último assistente e principal colaborador. A intenção do artigo é mostrar como o problema da constituição – ou, na formulação imortalizada pela fenomenologia francesa, “o problema da origem do mundo” – foi sendo delineado já em Presentificação e Imagem e aparece de modo mais claro na obra mais importante desse período, a IV. Meditação Cartesiana, mas também – e, talvez de modo mais impactante para a recepção francesa da fenomenologia husserliana – no famoso artigo publicado em 1933 na Kant-Studien. Por fim, defendo que, diante do problema da constituição/origem do mundo, a fenomenologia de Fink se deixa compreender melhor pelo predicado ‘meôntica’, rompendo com a determinação husserliana de uma fenomenologia ‘transcendental’.

Biografia do Autor

Anna Luiza Coli

Bergische Universität Wuppertal / Charles
University Prague

Publicado

2020-12-22

Como Citar

Coli, A. L. (2020). Notas Sobre O Projeto Da Fenomenologia Meôntica De Eugen Fink. Phenomenology, Humanities and Sciences, 1(3), 423-435. Recuperado de https://phenomenology.com.br/index.php/phe/article/view/60